O Município

História do Município

O documento mais antigo alusivo à existência humana no atual município de Alexandria foi descoberto pelo historiador Dr. Antonio Fernandes Mousinho, na última década de 50. Trata- se de um velho tombo de demarcação, no qual, às fls. 13 e verso, em 26.09.1759, o preto alforriado José da Costa, analfabeto, pondo a mão direita sobre os santos evangelhos e jurando falar a verdade, afirmou contar a idade de 63 anos e morar na Fazenda Barriguda.

Intitulado por Dr. Mousinho Fernandes como “a certidão de batismo” de Alexandria, o antigo documento integra o acervo do MUSEU HISTÓRICO DE ALEXANDRIA, que será instalado pelo Instituto Zulmirinha Veras nos próximos meses.

Após profundas, criteriosas e reiteradas pesquisas junto a diversos documentos do Século XVIII, o advogado George Veras concluiu que a razão mais consentânea da primitiva denominação do lugar – Barriguda – deriva da serra localizada nas encostas da cidade.

Segundo o pesquisador, na obra já indicada, há mais de duzentos e cinquenta anos, a pedra já era conhecida como Serra Barriguda, devido a sua parte frontal apresentar semelhança com o estado de uma mulher durante a gestação.

Então, sendo Serra Barriguda, e não Serra da Barriguda, a correta denominação da grande pedra que emoldura toda a cidade de Alexandria, inteira razão há para se atribuir ao mesmo acidente geográfico a origem da primeira denominação do lugar.

Pico de granito de idade pré-cambriana, com altitude de 602 metros, e altura de 310 metros, a Serra Barriguda é a maior referência, principal atração turística e eterno cartão postal de Alexandria, embora não constitua o maior acidente geográfico do município. Em 2007, a Serra Barriguda foi eleita 1ª das 7 Maravilhas do Rio Grande do Norte, em concurso realizado pelos Diários Associados (jornal Diário de Natal, DN On line e Rádio Poti).

A título de registro, convém mencionar que outra versão vincula a denominação à suposta existência, no olho d’água perene da serra, de uma árvore conhecida como Pé de Barriguda, da família das bombacáceas (Cavanilesia arborea), onde os boiadeiros e demais pessoas que transitavam pelo local voltariam suas atenções para o olho d’água e a árvore, indo dar de beber aos seus animais e desfrutar da sombra do Pé de Barriguda.

Mas, essa última versão não tem como prevalecer, notadamente diante dos documentos pesquisados, que indicam, claramente, que a Serra Barriguda, em razão do seu formato, foi que originou o nome do lugar, e não o contrário.

Por meio de lei datada de 12.11.1913, a Intendência Municipal de Martins atribuiu à povoação da Barriguda a denominação de Alexandria, homenageando, assim, a senhora Alexandrina Barreto Ferreira Chaves, esposa do então Desembargador e Senador Joaquim Ferreira Chaves Filho, ex-governador do Estado e, na época, recém-eleito para chefiar, pela segunda vez, o Poder Executivo Potiguar.

Nascida em 05.10.1854, no Sítio Curral Velho, então município de Maioridade (atualmente denominado de Martins) e hoje integrante do atual município de Alexandria, Alexandrina Barreto era filha de Domingos Velho Barreto e de Ignácia Francisca de Albuquerque Barreto.

Conhecida como pessoa bondosa, benfeitora e solidária, além de fonte inspiradora da grande maioria dos atos políticos e administrativos do seu esposo, Dona Alexandrina faleceu em 10.01.1921, às 11 horas, na sua residência, situada na Rua Conde do Bonfim, nº 70, na cidade do Rio de Janeiro (RJ), vítima de moléstia de Addison, decorrente de uma gripe, sendo sepultada no Cemitério São Francisco Xavier, Caju, na então capital da República.

Por meio da Lei nº 572, de 3 de dezembro de 1923, o então governador Antonio José de Mello e Souza elevou a povoação de Alexandria à categoria de vila, mantendo a denominação.

Como consequência do desenvolvimento do lugar e do esforço empreendido por Manoel Emídio de Sousa, Dr. Gregório Nazianzeno de Paiva, Noé Muniz Arnaud, Benício de Paiva Cavalcante, Pedro Lobo da Costa, Cícero Dutra de Almeida e Benedito de Paiva Cavalcante, dentre outros, objetivando a emancipação política, o então Presidente Interino Revolucionário do Rio Grande do Norte, Irineu Joffily, editou o Decreto nº 10, de 7 de Novembro de 1930, criando o Município, com a denominação de João Pessoa, em homenagem ao líder político da Paraíba, assassinado em julho do mesmo ano.

O decreto instituiu como sede do município a então Vila de Alexandria, que também passou a ser denominada de João Pessoa, criando-se, ainda, o Distrito Judiciário, integrante da Comarca de Martins.

Constituído por partes dos territórios de Martins, do qual era integrante, e Pau dos Ferros, o Município de João Pessoa foi instalado em 15 de novembro de 1930, ocasião em que foi nomeado e empossado seu primeiro prefeito, o senhor Noé Muniz Arnaud.

Seis anos após a criação do Município com a denominação de João Pessoa, foi restabelecido o nome Alexandria, concomitantemente com a elevação da Vila à Cidade, por iniciativa do Deputado Estadual João Marcelino de Oliveira, autor de proposição transformada na Lei nº 19, de 24.10.1936, sancionada pelo Governador Rafael Fernandes.

A mudança ocorreu com o objetivo de evitar as constantes confusões postais e comerciais com a capital paraibana, vez que a identidade de nome entre ambas as localidades provocava atrasos e extravios nas correspondências e mercadorias dirigidas à então Vila, as quais eram remetidas, antes, à homônima do vizinho Estado.

De igual modo, buscou-se restaurar a homenagem prestada à ilustre filha Alexandrina, na época já falecida.

Localização:

O município de Alexandria está atualmente localizado no Alto Oeste do estado do Rio Grande do Norte, na Mesorregião do Oeste Potiguar, que se divide em sete microrregiões, sendo que a microrregião à qual o município é pertencente é a Microrregião de Pau dos Ferros, a segunda mais ocidental do Rio Grande do Norte e que engloba dezessete municípios: Alexandria, Francisco Dantas, Itaú, José da Penha, Marcelino Vieira, Paraná, Pau dos Ferros, Pilões, Portalegre, Rafael Fernandes, Riacho da Cruz, Rodolfo Fernandes, São Francisco do Oeste, Severiano Melo, Taboleiro Grande, Tenente Ananias e Viçosa. Situa-se a uma latitude 06º 24′ 45″ S e 38º 00′ 57″ W, e a uma distância de 369 quilômetros da capital potiguar, que é Natal. A área oficial do município é de 381,202 km².

RN-mapa-Alexandria

 

https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandria_(Rio_Grande_do_Norte)

http://camaraalexandria.rn.gov.br/

Essas são nossas Sete maravilhas do RN

O Rio Grande do Norte também tem suas sete maravilhas. Escolhidas através de voto popular, as maravilhas receberam mais de 360 mil votos. Foram quatro meses de votação e intensas movimentações em prol das indicadas. As grandes vencedoras foram a Serra da Barriguda, em Alexandria, com 16.224 votos; Morro do Careca, em Natal, 13.409 votos; Açude Gargalheiras, em Acari, com 10.674 votos; Fortaleza dos Reis Magos, em Natal, com 10.272 votos; Estádio Maria Lamas Farache, em Natal, com 8.404 votos; Santuário do Lima, em Patu, com 7.735 e os Apertados, em Currais Novos, com 7.252 votos. A noite de diplomação será no próximo dia 20.

Concorreram ao título 133 maravilhas, dessas, 74 eram construções (igrejas, castelos, faróis e outras obras) e 59 belezas naturais (serras, praias, matas e demais criações da natureza). Entre as indicações lugares desconhecidos por muitos, mas que depois da campanha passaram a ser conhecidas por todo RN. Dentre eles o Serrote das Panelas, em Caicó, os Sítios Arqueológicos de Santana do Matos, o Baobá dos Poetas em Natal, a Mina Brejuí em Currais Novos, o Cemitério das Areias em São Fernando, a Serra do Cuó em Campo Grande e o Castelo do Igodé em Caicó.

A idéia do promoção surgiu depois da escolha das sete maravilhas do mundo, ocorrida em sete de julho deste ano. A partir dai a direção do Diário de Natal apoiou a idéia do jornalista Paulo Tarcísio de promover a escolha das sete Maravilhas do Rio Grande do Norte. Foi então deflagrado o processo. Na primeira fase, (de 11 de julho a 06 de setembro) os leitores do matutino indicaram aleatoriamente as concorrentes, enviando foto e resumo de sua sugestão para o e-mail setemaravilhas@diariodenatal.com.br.

Na segunda fase, de 13 de setembro a 31 de outubro, as pessoas votaram nas 133 indicadas através do site www.dnonline.com.br/setemaravilhasdorn ou via cupom publicado no Diário de Natal. No site, criado especialmente para a campanha, além da opção de votar o internauta podia conhecer um pouco mais sobre as concorrentes através de matérias publicas e curiosidades sobre elas.

O objetivo da promoção Sete Maravilhas do RN, conduzida pelo Diário de Natal, Rádio Clube AM e DnOnline, era estimular a apreciação dos monumentos naturais ou feitos pelo homem e fomentar a atividade turística em torno deles, como contribuição ao desenvolvimento social, econômico, cultural e da auto-estima potiguar. Ela ocorreu em moldes similares à votação internacional que definiu as Sete Novas Maravilhas do Mundo, entre as quais o Cristo Redentor, que ficou em terceiro lugar graças à participação e à mobilização do povo brasileiro.

Fonte: Diário de Natal ·.

http://naserradeportalegre.blogspot.com.br/2007/11/essas-so-nossas-maravilhas-o-rio-grande.html

http://marcoscostaob.blogspot.com.br/2011/05/conheca-as-7-maravilhas-do-rn.html

https://pt.wikipedia.org/wiki/Alexandria_(Rio_Grande_do_Norte)